• Pr. Manolo Damasio

15 - A riqueza da proteína vegetal

“É importantíssimo reconhecer, de uma vez por todas, que os alimentos, ao serem ingeridos, passam por um processo de decomposição até o nível de moléculas. É com essas moléculas que o organismo, basicamente o fígado, vai formar as células de que o corpo está necessitando. Não se pode, portanto, imaginar que os alimentos são incorporados tal qual ingeridos: carne vira carne, gordura vira gordura, leite vira leite, etc”. – Sete Dias para Começar a Viver.

A alimentação onívora, que inclui a carne, foi uma adaptação que o ser humano fez e hoje traz sérios prejuízos à sua saúde. O Dr. Áureo Augusto, médico e escritor, diz que: “Quase todas as pessoas pensam que a carne é a melhor e maior (se não a única) fonte de proteínas.”


Muitas pessoas não acreditam ser possível viver sem comer proteína. O mesmo autor ainda comenta que chega a ser cômico o nível de desinformação das pessoas e de como ainda assim emitem opiniões. Pensar que muitos povos não ingerem carne, como na Índia e na China. Que os vietnamitas venceram os poderosos exércitos norte-americanos alimentando-se de arroz, frutas e raízes silvestres. No entanto, ao mesmo tempo, essa ignorância é cara. Fontes vegetais de proteínas não são conhecidas como tais e as pessoas perdem dinheiro e a saúde consumindo carne.


O risco da falta da proteína tem sido utilizado pelos defensores da carne contra o vegetarianismo. Na verdade, as proteínas são constituídas por aminoácidos em proporções diferentes. Assim como escrevemos inúmeras palavras, sentenças e livros com as 23 letras do alfabeto, é também possível construir um sem número de proteínas com os 20 aminoácidos.

Por exemplo: a molécula da hemoglobina é formada por aproximadamente 600 combinações dos aminoácidos. Existem proteínas compostas de mais de 4.000 aminoácidos. Dos 20 aminoácidos, oito não são produzidos pelo corpo humano. São eles chamados de Aminoácidos Essenciais e são fornecidos pela alimentação.


Os alimentos vegetais também contêm os aminoácidos em quantidades diversas, que se completam. Para citar apenas um exemplo, a proteína dos cereais é rela- tivamente pobre em lisina, enquanto as leguminosas contêm muita lisina. Por outro lado, os cereais contêm metionina, que não são abundantes nas leguminosas. Portanto, basta que haja leguminosas e cereais para que a necessidade protéica do ser humano seja satisfatoriamente atendida por alimentos vegetais.

Além disso, a proteína vegetal vem acompanhada de outros nutrientes, como vitaminas e sais, além de enzimas, que facilitam o seu aproveitamento pelo organismo. A carne, além de ser pobre em vitaminas e em minerais, vem acompanhada de substâncias danosas, fruto do metabolismo do animal quando estava vivo, como a uréia e o ácido lático, e outras que foram liberadas no momento da morte, como a histamina e a, adrenalina, além de produtos da putrefação iniciada logo após a morte. Sabemos do seu efeito como fator causal da arteriosclerose, cardiopatias e câncer.

Outro fator a considerar é o aspecto em que a carne, ao ser processada, cozida, assada ou frita, sofre desidratação, concentrando uma quantidade de proteína. A proteína de origem vegetal sofre processo inverso de hidratação durante o seu preparo, reduzindo a concentração e exigindo menos dos órgãos responsáveis pelo seu metabolismo (fígado e rins).

As orientações de Deus são sempre as melhores para nossa vida. Você acredita nisso? Ele é o seu professor. A sua alimentação ultimamente tem honrado e glorificado o Criador?

Ao criar o ser humano, Deus deixou um cardápio.


“E disse Deus ainda: Eis que vos tenho dado todas as ervas que dão semente e se acham na superfície de toda a Terra, e todas as árvores em que há fruto que dá semente; isso vos será para mantimento.” Gênesis 1:29.

Esses alimentos seriam suficientes para a provisão do homem, e mais, iriam protegê-lo das enfermidades físicas e morais.


“Se as frutas, verduras e cereais não eram suficientes para satisfazer as necessidades do homem, então o Criador cometeu um erro ao provê-los para Adão... Deus não reteve a carne dos hebreus no deserto simplesmente para mostrar Sua autoridade, mas para benefício deles, para que conservassem a resistência física e moral.” – Temperança, pág. 160.

Mais tarde, o Senhor liberou o consumo de carne em situações adversas, no dilúvio e no deserto. No primeiro evento, o homem passou a viver menos anos, retardando a proliferação de sua maldade. No deserto, onde não há vegetais, Deus primeiramente providenciou um alimento divino, o maná. Contudo, o homem, em sua dureza, clamou por carne, e comia de tudo, tendo que ser advertido quanto aos animais imundos, impróprios para consumo mesmo em situações extremas. Esses animais são assim considerados por produzirem substâncias tóxicas ou pelo seu papel de higienizadores do meio ambiente.

“Os animais estão se tornando mais e mais enfermos, e não demorará muito até que o alimento cárneo tenha que ser abandonado por muitos, além dos Adventistas do Sétimo Dia.” – CSRA, pág. 167.

Grupos de pessoas estão se tornando vegetarianos conscientes pela forma cruel em que os animais são criados e pela inutilidade da morte deles para a subsistência da espécie humana.

Hoje, a situação é de alto risco, e Deus, em sua misericórdia adverte o Seu povo, falando de doenças sérias que acometem os animais, com graves conseqüências para os seres humanos. Alergias, doenças crônicas e degenerativas, sem falar no aumento da agressividade e da criminalidade. Os animais são criados de forma antinatural, sem respeito, nem ética, alimentados de forma antiecológica: ossos e fezes são colocados na ração de animais originalmente vegetarianos, forçando-os a se tornarem canibais, sem nenhuma consideração com as repercussões dessas mudanças. O tipo de alimento que uso vai influenciar a qualidade da minha relação com Deus. Pense neste momento sobre isso. Fale com o Espírito Santo como está lhe afetando, se positiva ou negativamente.

Através dos escritos de Ellen White, Deus deixou recomendações para este tempo quanto ao mudar o uso de alimentos de origem animal e sua substituição por outras fontes de proteínas. Nesse grupo estão incluídas as leguminosas e as oleaginosas, ou seja, todos os feijões e castanhas. As pessoas ficam preocupadas com o conteúdo protéico dos vegetais e com as substituições da carne, sem razão. Existem, ao contrário, razões de sobra para adotarmos uma alimentação vegetariana.



Algumas razões para ser vegetariano

  1. Deus deixou uma alimentação originalmente vegetariana para o ser humano.

  2. Deus conhece tudo e sabe o que é melhor para a saúde das pessoas.

  3. Deus abençoa os que lhe são fiéis e obedientes.

  4. Quem come carne diariamente, utiliza proteína em excesso, sobrecarregando os rins e o fígado.

  5. A ciência médica confirma que os vegetarianos têm mais longevidade e qualidade de vida.


Observe a tabela do médico nutrólogo Dr. Elias Oliveira Lima, que comparou a Proteína Vegetal e a Proteína Animal. Extraída do livro “Sete Dias para Começar a Viver”.




Se você quer mais razões, é só olhar as revistas de maior circulação no país, acessar os sites na Internet ou assistir aos Congressos e Encontros de Medicina, principalmente nas áreas de cardiologia, pediatria, nefrologia, entre outras. Tome uma decisão hoje, agora, em favor de sua saúde física, mental e espiritual.

Lembre-se: Decisão séria, sem Deus na vida diária, não vai levar a lugar algum. Somente o Espírito Santo pode efetuar mudanças permanentes em sua vida. E então...

“‘Queres ficar são’? João 5:6 manda-vos levantar em saúde e paz. Não espereis sentir que estais são. Crede na palavra do Salvador. Ponde vossa vontade ao lado de Cristo. Determinai servi-Lo, e, agindo em obediência à Sua palavra, recebereis forças. Seja qual for a má pratica, a paixão dominante que, devido a longa condescendência, prende tanto a alma como o corpo, Cristo é capaz de libertar, e anseia fazê-lo. Ele comunicará vida aos seres ‘mortos em ofensas’. Efésios 2:1. Porá em liberdade o cativo, preso por fraqueza e infortúnio e pelas cadeias do pecado.” – CBV, pág. 85.

Hoje é o décimo quinto dia da Jornada e, graças à ajuda do Espírito Santo, você está fazendo progresso. Parabéns!

Tem tomado de 6 a 8 copos de água por dia?

Tem dormido cedo?


Tá sentindo diferença na hora de ir ao supermercado?


Você está ansioso por sua restauração? Vá agora à Fonte Ilimitada do Poder.


A diferença é a oração

“A oração é a resposta para cada problema da vida. Ela nos põe em sintonia com a sabedoria divina, a qual sabe como ajustar cada coisa perfeitamente. Às vezes, deixamos de orar em certas circunstâncias porque, a nosso ver, a situação é sem esperança. Mas nada é impossível com Deus. Nada é tão emaranhado que não possa ser remediado, nenhuma relação humana é tão tensa que Deus não possa trazê-la à reconciliação e à compreensão; nenhum hábito é tão profundamente enraizado que não possa ser vencido; ninguém é tão fraco que Ele não possa tornar forte. Ninguém é tão doente que Ele não possa curar. Nenhuma mente é tão obscura que Ele não possa tornar brilhante. Se alguma coisa nos causa preocupação ou ansiedade, paremos de propagá-la e confiemos em Deus por restauração, amor e poder.” Review and Herald, 7 de outubro de 1865.



Fonte: 2 Seminário de Enriquecimento Espiritual, DSA 2017.

0 comments

Recent Posts

See All